Um gênio espetacular, Stephen Hawking

Stephen Hawking at Gonville & Caius College, Cambridge.

O físico e pesquisador britânico Stephen Hawking morreu nesta quarta-feira (14) aos 76 anos, em sua residência em Cambridge, no Reino Unido. Ele ficou conhecido por sua enorme contribuição para  física moderna e astronomia, Stephen teve uma carreira singular, sua capacidade intelectual e domínio em física chegaram a teorias e descobertas que geraram imensos debates na física teórica e na astronomia — ao lado de muita exposição na mídia e grande contribuição para a divulgação científica, o que também gerou alguns desafetos.

O físico britânico almejou uma compreensão completa do universo. Algumas teorias vingaram; outras não, mas seu legado é inegável. Seus estudos e teorias, como a de muitos físicos, desafiam a noção de espaço-tempo e nos levam a uma outra dimensão: não dá para começar a compreendê-las sem abandonar as concepções mais fundamentais sobre a realidade que conhecemos. Por exemplo, deve-se partir da premissa de que existem lugares no universo, os buracos negros, em que a gravidade é tão imensa que nada consegue sair de lá — nem mesmo a luz. O Documentário Ciência de Tudo apresenta um pouco da biografia e da contribuição científica de Stephen Hawking para a Ciência e aborda o futuro da humanidade e suas ameaças, principalmente com o desenvolvimento da inteligência artificial. 

 

Hawking nasceu em 8 de janeiro de 1942, em Oxford, na Inglaterra. Aos 22 anos, foi diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma doença degenerativa progressiva que paralisa os músculos do corpo e não tem cura. Estatisticamente, a morte ocorre até três anos após o diagnóstico, devido à perda da capacidade respiratória. Mas Hawking continuou contribuindo com a ciência por décadas em sua cadeira de rodas com respirador artificial e um computador com sintetizador de voz.

Entre as contribuições de Hawking estão os teoremas de singularidade (em colaboração com o matemático Roger Penrose), que tentavam responder quando a gravidade produzia singularidade (um ponto no espaço-tempo em que a massa seria infinita, o volume seria zero e o tempo pararia); e, talvez o mais importante (e controverso) de todos, a ideia de que buracos negros emitem radiação térmica, perdendo energia e, consequentemente, desaparecendo do universo.

No final de sua vida, Hawking gerou algumas polêmicas no meio científico. Em 2004, anunciou que resolveu o paradoxo da informação, uma ideia de que as informações das partículas que caem nos buracos negros são eventualmente destruídas para sempre. No entanto, ele nunca demonstrou sua hipótese por meio de cálculos. E, em 2014, chegou a afirmar que os buracos negros podem não existir, também sem apresentar embasamento matemático. Duas coincidências que todos estão destacando: Hawking nasceu exatamente 300 anos depois da morte de Galileu (8 de janeiro de 1642) e morre no mesmo dia do nascimento de Einstein (14 de março de 1879).

Descanse em paz, Stephen Hawking.

Um gênio espetacular, Stephen Hawking
Stephen Hawking – JUSTIN TALLIS / AFP

Com informações: BBC, New York Times, The Guardian e G1.

veja também