Homenagem ao Grande Forrozeiro Moisés & Banda

A Carlomagnum apresenta um vídeo histórico do maior forrozeiro de nossa região, o Grande Moisés e sua banda que levavam um forró autêntico e sua sanfona tocava Gabiraba de um jeito inesquecível. Esse grande sanfoneiro nós deixou, mas seu legado é eterno e vai ficar marcado como uma das principais figuras da música regional e das festas juninas em todo Vale de Contas e Jiquiriçá. Moisés, foi um sanfoneiro e cantor de forró popular, reverenciamos esse ícone sempre! Você pode matar a saudade dessa sanfona e desse grande músico pela Carlomagnum. Viva Moisés e Banda, nossa música, nossa cultura, nossa história!

Biografia de Moisés & Banda

Moisés Sousa Dotivo, natural de Manoel Vitorino, anteriormente, distrito de Boa Nova. Nasceu em 01 de dezembro de 1943 e faleceu em 07 de agosto de 2008, com problemas de coração. Filho adotivo da Sra. Nelcina Teixeira Sousa e Sr. Nestor Eustáquio de Sousa, ambos do distrito de Catingal, conforme consta em sua certidão de nascimento, datada em 16 de fevereiro de 1960.

Homenagem ao Grande Forrozeiro Moisés & Banda

Seu pai biológico chamava-se Durval Augusto Holenwerger e que tinha 4 irmãos: Durval Filho, Astrogildo, Astrolábio e Dulce. Não se sabe o nome da mãe biológica. Segundo relatos orais, desde os cinco anos de idade, Moisés já tocava sanfona, violão e outros instrumentos, embora não teve aulas de música. O seu talento era nato. Seu pai, Sr. Nestor Eustáquio, foi quem lhe deu a sua primeira sanfona, incentivando a sua vocação musical.

Casou-se com a professora Sra. Maria de Lourdes Sá, natural do distrito de Catingal em 1966, com quem teve seis filhos e 15 netos. São seus filhos: Maria Milva Sá Alves, Antônio Sá Dotivo, Maria Lêda Sá Meira, Tânia Sá Dotivo, José Roberto Sá Dotivo e Maria das Graças Sá Dotivo. De outros relacionamentos teve mais dois filhos: Celso Ricardo Sá Dotivo e Mirele Sá Dotivo.

Ainda muito jovem começou a ser convidado para cantar e tocar em bares e em casamentos em Catingal, Dário Meira e Porto Alegre, distrito de Maracás. Consequentemente, a profissão de músico – sanfoneiro definiria a trajetória do mesmo.

Sua especialidade era o Acordeom e, em suas apresentações, cantava e tocava músicas de raiz, sobretudo o forró pé de serra, de Luís Gonzaga, Dominguinhos, Alcimar Monteiro, Flávio José, Edgar Mão Branca e de outros ícones do forró nordestino. No auge de sua carreira musical, formou e liderou o grupo musical Moisés e Banda, com os seguintes integrantes: Moisés, Baleia, Marta e Tânia.

Moisés e Banda tornou-se um grupo musical reconhecido, tanto na microrregião do sudoeste baiano, como em todo o estado da Bahia. Seu repertório procurava agradar a todos, tanto aos mais velhos como aos mais jovens. As músicas: Saudade de minha Terra, Viajante e Asa Branca eram as suas favoritas. Com elas, Moisés sempre iniciava as apresentações e muito agradava ao público, sobretudo aos conterrâneos, que acompanharam a sua trajetória e evolução. Em suas apresentações, Moisés usava sempre um chapéu estiloso, camisa com gola polo, calça jeans bem justa, cinto e botas. Percebia-se a preocupação do músico com o visual jovem e alegre.

Com 64 anos Moisés faleceu em sua residência, na Fazenda Ribeirão das Flores, na região do Salgado. Mas, seus descendentes, o município de Manoel Vitorino e os municípios circunvizinhos sentiram a perda do homem simples e do grande músico, que embalou as festas e comemorações culturais do município.

Fonte: Levy Barros

 

veja também